quarta-feira, 21 de junho de 2017

É nuvem passageira

Oi.
Você não esperava me ver por aqui, não é? Eu sei, me atrasei, mas tenho minhas justificativas que você já conhece muito bem. Eu demoro a pegar no tranco, mas quando pego nem você consegue me parar, não é? 
Sejamos sinceras, tantas coisas boas acontecem todos os dias, os pequenos milagres que estamos acostumadas sempre nos favorecem. Nocautes sempre existirão. O fato mais pungente e, repito, é necessário que tenhamos paciência para compreendê-lo, é que nada disso importa. Não importa quem nos deseja o mal, não importa o dinheiro perdido, a rusga aqui, a treta ali. Não importa mesmo. Você guarda quantas mágoas por dia?
Se a sua resposta for acima de zero, cospe fora isso aí, porque aqui é o espaço "zem". Sem brincadeira, não vale a pena o estresse. Eu me sinto uns 20 anos mais velha do que sou, só por me importar mais com o que é considerado meu lado ruim e com as coisas chatas do dia-a-dia, do que agradecer as coisas boas de verdade.
Eu tenho você, isso me basta. A qualquer outra coisa que venha, eu tenho você e isso sempre me bastará. Porque você é e sempre será a mulher da minha vida, do meu caminho, do meu destino. Você me acompanha nas leituras e bravura, aventuras, desventuras. Você é quem lê e quem ri de mim e para mim. 
Há anos que deixamos de ser duas meninas, pra sermos mulheres. Eu estou com você em cada momento bom ou ruim seu e você está nos meus, é gratificante, eu sei que posso contar com você e não tenha dúvidas, eu vou até o fim do mundo por você.
Minha esposa (hoje posso te chamar assim), minha menina, minha querida e amada. Eu pensava, quando comecei a escrever esse blog, em 2011 (?) que minha vida seria rodeada de estereótipos do começo ao final. Não que eu estivesse errada, mas os estereótipos que eu esperava eram diferentes. Nesse ponto da história que estamos vivendo, sou a esposa que aguarda você retornar do seu dia de trabalho. Não faço TUDO o que uma dona de casa faz, porque ainda estudo e isso é mais importante do que lavar roupa (risos), mas pelo menos o almoço eu garanto, pode crer. 
Garanto também que vou buscar sua toalha no varal, garanto que vou devolver seu chinelo, garanto que não vou ficar te dando duras por você fazer coisas diferente do meu jeito. Garanto que no final do dia, mesmo que o meu dia tenha sido péssimo, eu não serei rude com você, posso até me reservar ao direito do silêncio, mas jamais da grosseria. Garanto que quando você chorar eu vou te ouvir e GARANTO que te perdoarei todas as vezes que forem preciso. Eu garanto que, se a minha garantia valer alguma coisa, que cumprirei todas essas coisas.
Você só precisa me amar, como já faz, me entender, me acariciar e chegar de mansinho, como um sonho bom que a gente não quer acordar. Me cheirar o pescoço e dizer que eu to "cheirando mor", me dizer baboseiras lindas e macias que você sabe que eu gosto de ouvir, me dar a mão quando eu pedir, me perdoar quando eu pecar e me acalentar quando todo o resto me bater.
Lave minhas feridas, amor, me ajude a levantar, eu choro quando me sinto sozinha e só quero ser feliz sem hesitar. Quero ser feliz comigo, quero que você seja feliz consigo, e que sejamos mais felizes ainda juntas. E quando das tristezas, elas podem esperar, sempre tem um colinho de amor pra me acalmar. 
Seus 22 anos já completos mostram que a vida é pueril e a sua está só começando. Não vamos perder nosso tempo lamentando. Vamos fazer o certo, com certeza e com destreza, vamos espanar o pó da roupa e seguir em frente. Enfrente, avante.
Essa postagem vem para encerrar o NOSSO inferno astral, estou soprando as velinhas pra nossa fase mudar. Agora estejamos atentas para a nova fase, mais complexa e duradoura que virá. Faculdade, residência, resistência, café, estopim, talvez uma desistência ou outra. Nada muda sem que façamos diferente. 
Te amo, obrigada pela sua existência maravilhosa. Pela parceria e pelo companheirismo. Sei que você vai entender minhas metáforas. Você sempre entendeu.
Prometi, cumpri.